Dra. Andressa no Youtube

Artigos & Informações

Dra. Andressa no Facebook

1 dia atrás

Endocrinologia em dia

Alergias alimentares: vamos saber mais?

O surgimento de alergias a um agente externo, seja alimento ou por exemplo, pólen, pelos ou perfumes, vai depender de como a resposta do sistema de defesa de uma pessoa se organiza. Naquelas pessoas com algum tipo de alergia, o sistema de defesa reconhece que o agente externo é danoso ao organismo e dispara uma série de respostas, que vão desde reações na pele, inchaços em algumas regiões (ao redor dos olhos, mais comum) até diarreia ou falta de ar.

Quando falamos de comidas, geralmente no primeiro contato com o alimento a pessoa não desenvolve a alergia, mas é nesse momento que o corpo identifica que partes do alimento – chamadas de alérgenos – são estranhas e que na próxima vez quando forem ingeridas, vão gerar a resposta alérgica em cadeia.

As alergias alimentares mais comuns são a: amendoins, nozes, castanhas, camarão e outros frutos do mar, leite e ovos. Estas alergias a determinados alimentos podem acontecer em qualquer época da vida. Nas crianças, as mais comuns são ao leite de vaca, ovos, amendoins, nozes, soja e trigo. Já nos adultos, amendoins, nozes, peixes, crustáceos, moluscos e algumas frutas e vegetais podem causar alergias.

Os sintomas acontecem logo após a alimentação, ou mesmo após inalar ou entrar em contato com o alimento. Vermelhidão da pele, coceira, inchaço nos lábios e ao redor dos olhos, rouquidão e inchaço na garganta, dificuldade de respirar, vômitos e diarreia são sintomas que podem ocorrer.

Se você suspeita que tem alergia a um alimento, o primeiro passo é a consulta médica, e depois você poderá fazer os testes alérgicos como os teste de alergia na pele. Aqui, o ponto principal é: não fique na dúvida! Se você acha que tem uma alergia alimentar, tenha sua confirmação. Na maior parte dos casos as pessoas serão alérgicas a apenas um tipo de alimento e é muito raro termos alergias combinadas.
... Veja maisMostrar menos

Veja no Facebook

2 dias atrás

Endocrinologia em dia

Amido resistente? Você conhece?
Mas de batata doce e banana verde você já deve ter ouvido falar!

Queridinhas das dietas, a batata doce e a biomassa de banana verde são conhecidas como alimentos funcionais. Mas, você sabe o que explica todos estes benefícios? É o amido resistente.

O amido por definição é um carboidrato, ou seja, fonte de energia, que vira glicose no nosso organismo. Amidos são produzidos na natureza por plantas, e estão presentes na batata, trigo e arroz, bases da nossa alimentação e, portanto, facilmente digeridos pelo nosso intestino. No entanto, com a evolução dos estudos na área de nutrição, foi possível classificar o amido em 3 tipos: amido de digestão rápida, amido de digestão intermediária (média) e amido resistente. O amido rápido, é digerido tão logo é ingerido e aumenta rapidamente os níveis de glicose no sangue, são chamados de alto índice glicérico, presente nas farinhas brancas e no arroz branco por exemplo.

O amido resistente não. Ele funciona como uma fibra, pois é como o próprio nome diz, resistente à digestão, sendo somente fermentado no intestino grosso (que é o final do intestino). Lá, é extremamente benéfico para a saúde do nosso metabolismo como um todo: reduz o índice glicêmico, pois lentifica a absorção de glicose de outros alimentos, e regulariza o ritmo intestinal.

E, adivinha quais 2 alimentos são ricos em amidos resistentes? Banana verde e batata doce! Está explicado?

Além deles, o amido resistente também está presente na lentilha, Inhame, aveia e feijão branco. Que tal também incluir estes funcionais na sua alimentação?
... Veja maisMostrar menos

Veja no Facebook

× WhatsApp