Dra. Andressa no Youtube

Dra. Andressa no Instagram

Artigos & Informações

Dra. Andressa no Facebook

3 dias atrás

Endocrinologia em dia
Metas customizadas de hemoglobina glicadaFalamos no post de ontem da importância em se saber a hemoglobina glicada e utilizar ela como diagnóstico e acompanhamento. Para o acompanhamento, o que vemos nos últimos anos é uma mudança nos alvos desejados de hemoglobina glicada a depender da faixa etária do paciente, das suas doenças e da sua expectativa de vida. Um exemplo é aquele paciente jovem, sem outras doenças ou complicações, com longa expectativa de vida. Nesse paciente o desejo é que ele, sendo diabético, tenha um alvo de hemoglobina glicada menor que 6,5%. Isso reduz os riscos de complicações como doenças na retina, rins, coração e amputações. Por outro lado, se o paciente é idoso, tem outras doenças e tem risco de hipoglicemia (risco alto de queda e fraturas, por exemplo), a meta de hemoglobina glicada é maior, cerca de 7,5%. Isso porque a tolerância à um episódio de hipoglicemia é menor se deixarmos a hemoglobina glicada mais baixa. Na prática, é preciso abrir os olhos. Pacientes idosos tem que ser protegidos dos efeitos de uma hipoglicemia, seja fratura de colo de fêmur por queda por tontura, seja um eventual AVC. Os principais Consensos em diabetes no mundo têm sempre batido na tecla da individualização da hemoglobina glicada, mas também da redução da variabilidade glicêmica. Isso é um conceito importante: não adianta a hemoglobina glicada estar linda se a glicemia está oscilando. Explico... a hemoglobina glicada é uma média dos últimos 3 meses, o que significa que é preciso saber se uma média de 154, por exemplo, é de fato glicemia em torno de 150 ou oscilações entre 50 e 250. Isso faz toda diferença no controle do paciente. Quer saber mais? care.diabetesjournals.org/content/43/Supplement_1/S66⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ESTE É UM TEXTO ORIGINAL. CASO VOCÊ QUEIRA REPOSTAR NÃO ESQUEÇA DE DAR O CRÉDITO PARA @endocrinologiaemdia 😊 ... Veja maisMostrar menos
Veja no Facebook

3 dias atrás

Endocrinologia em dia
Diabetes: hemoglobina glicada – uma aliada fundamental ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀A hemoglobina glicada pode também ser chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente HbA1c. Ela é um exame de sangue muito utilizado para o diagnóstico e acompanhamento dos pacientes diabéticos. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀Quanto mais elevadas estão as taxas de açúcar no sangue, mais a glicose vai se ligando à hemoglobina, e o percentual sobe. Ela também reflete o controle do diabetes nos últimos 3 meses, como se fosse um “filme” contando como as taxas de açúcar no sangue se comportaram em média. Mas não é só isso: a hemoglobina glicada também serve para fazer diagnóstico de diabetes em quem não sabe se tem a doença. São considerados valores normais níveis de hemoglobina glicada menores que 5,7%. Níveis entre 5,8% e 6,4% são considerados pré-diabetes. Já níveis acima de 6,5% correspondem ao diagnóstico de diabetes.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀Para cada valor de hemoglobina glicada, há uma glicemia média correspondente. Uma hemoglobina glicada de 7% equivale a uma glicemia média estimada de 154 mg/dL; 10%, de 240 mg/dL. Eu reforço sempre para meus pacientes diabéticos que eles devem saber sua última hemoglobina glicada – isso ajuda e muito em caso de necessidade, como uma ida ao pronto socorro, pois o médico pode saber se o diabetes estava controlado ou não. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀Outro cuidado é que o paciente deve ter pelo menos uma hemoglobina glicosilada pedida a cada 3 a 4 meses, em média. Esse intervalo pode ser maior se o paciente está controlado ou menor se há descontrole. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀E você, conhece sua hemoglobina glicada?⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀Quer saber mais?www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&ved=2ahUKEwiLrMbWpp7tAhXBE7kGHeiKAOwQFjAAe...⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ESTE É UM TEXTO ORIGINAL. CASO VOCÊ QUEIRA REPOSTAR NÃO ESQUEÇA DE DAR O CRÉDITO PARA @endocrinologiaemdia 😊 ... Veja maisMostrar menos
Veja no Facebook

× WhatsApp